terça-feira, 7 de março de 2017

Não pense ... VIVA!!!


Não se prenda a lembranças, conviva com elas, afinal elas te seguirão independente do quão livre ou preso a ela você estiver. 
Hoje vivemos na base do julgamento onde pensamos ter o direito de fazer críticas quanto à conduta do outro, por mais simples que pareça. Temos o péssimo hábito de avaliar o outro dentro de nossos próprios conceitos e princípios. E não escapa ninguém. E não se perdoa ninguém. Qualquer um é alvo de comentários maldosos. Como se a vida do próprio criticante fosse imaculadamente perfeita. Ser protagonista da própria história dá  trabalho,  exige tempo e dedicação e proporciona experiências incríveis para quem se arrisca a viver a própria história e não a do outro.
Não pense! (na vida do outro) 
Viva!  (a sua própria história)  

segunda-feira, 9 de maio de 2016

Memórias de uma ex-conselheira tutelar: Bem vindos!

Desde a infância sou dada a escrever: pensamentos ligados ao meu cotidiano; opiniões de assuntos diversos ligados à vida comum; poemas num desnudar de minha alma; experiências que mexeram com minhas estruturas...
Muitas das vezes após alguns fatos ocorridos em minha vida; um texto publicado ou uma conversa com grupos de amigos ou acontecimentos que achei por bem partilhar; me sugeriram reunir em um livro todo o conhecimento e experiência de vida adquirido por todos esses anos.
Pensando nessas indicações e de todo esse tempo decorrido, me arrisco em publicar textos da minha experiência enquanto conselheira tutelar, mesclados à fatos do meu cotidiano. Os relatos que farei, embora com nomes e locais fictícios, foram verdadeiros e fazem parte da minha história. Se minhas ações tocaram algumas vidas, igualmente e até muito mais fui tocada. Lidar com as mazelas da sociedade, se com a mente e o coração abertos, é mexer nas próprias fragilidades, existentes de forma direta ou indireta, e que, se não nos endurece ao ponto de nos tornarmos serem insensíveis ao próximo, nos humaniza ao ponto de aprender a não julgar por saber não ser o outro e tentar se colocar no lugar dele para pensar as ações com as mesmas realidades, com a mesma bagagem e com a mesma carga emocional .
Minha intenção? Nenhuma pretensão, apenas a consciência que a troca das experiências vividas, assim como me ajudaram, poderá ajudar a muitas outras vidas. A quem acessar o blog, e quiser comentar as postagens, perguntar, discordar ... deixo o meu agradecimento a qualquer contribuição que venha aos meus escritos. Estou preparando o primeiro relato e intenciono um a cada semana. Alguns serão extensos e por essa razão serão capitulados.
Desejo boa semana a todos e o forte desejo de poder contribuir de alguma forma com a história de cada um.
Abraço a todos!
- Anna Feitoza -

quarta-feira, 27 de abril de 2016

Devaneios da Pedagogia: Autogestão


" Todo gestor é educador / Todo educador é gestor "


Para realizarmos qualquer atividade, de forma integral e com êxito é necessário estar presente no momento presente dedicando a esse tempo o que ele requer.

Imagem da internet
Na ação de educar é importante que o educador deixe para cada momento o que a ele cabe, deixando os pensamentos fora da atividade do trabalho. As contas a pagar, os conflitos emocionais ou familiares, e as demais preocupações que não dizem respeito a esse processo, não poderão ser resolvidos ou sanados mas com certeza atrapalharão o bom desempenho do educador se ocuparem seus pensamentos durante a aula.

É importante que o educador se prepare, considere a possibilidade dos imprevistos e busque cumprir seus objetivos, mesmo que adotando outros meios no percurso da aula.

É necessário que o educador assim como um administrador exercite essa auto gestão, programe seu tempo, elabore suas atividades e aprenda a gerenciar a si mesmo para um bom desempenho de suas atividades. Estar a frente de uma sala, de pessoas, de um grupo, requer envolvimento, disposição, comprometimento e propriedade, não sobre as pessoas, mas sobre a aula que vai aplicar.

Afinal, em todas as atividades em que passamos conhecimento, somos todos educadores e em toda a ação do educador há um gerenciamento no processo de aprendizagem.

- Anna Feitoza - 

segunda-feira, 18 de abril de 2016

As estações da alma ...

Imagem: arquivo pessoal
Parque do Ibirapuera

E a alma também precisa respeitar suas estações...
Deixar de ser verão agitado, acalorado, eufórico, festeiro, frenético, ansioso ... e se permitir ser outono com folhagem caindo, brisa fresca, tardes amenas e noites tranquilas.

Passar pelo inverno e se reservar, se poupar, se restringir, se cuidar, se introspectar numa preparação para florir numa nova primavera, com folhas frescas, flores coloridas e perfumadas exalando o perfume de uma alma renovada e pronta para encarar mais um clico da vida ...

Não há escolha: a vida tem que seguir ...

- Anna Feitoza - 

domingo, 3 de abril de 2016

quinta-feira, 15 de outubro de 2015

Como um balão ...

Foto by Anna Feitoza
Monumento às Bandeiras
Parque do Ibirapuera
#IbiraAmoeCuido
As vezes algo precisa ser feito...
E nem sempre temos a resposta.
Muitas vezes, é mais do que a falta de atitude...
O problema é quando não temos convicção do quê, como e temos dúvida do para quê....
Sem motivos tudo fica indiferente ...
Até os covardes tem suas motivações: o medo ...
Até os perdidos tem suas inquietações: a dúvida ...
O importante é ter motivos ...
Triste do balão...